anuncio_1080x1080px-eu-frida-todas-frida_edited.jpg

Frida Kahlo foi umas das mais importantes pintoras mexicanas do século XX, e destacou-se por ser uma
artista singular. Ficou bastante conhecida pela sua obra autobiográfica, onde retratava suas angústias
pessoais. E ela é o tema da exposição da artista visual Meg Marinho, “EU FRIDA, TODAS FRIDA”.


Quando adolescente, Meg nem sabia que a Frida existia, mas costumava usar saias e colares como os dela
e, como seus cabelos eram longos, o penteado com tranças presas em cima da cabeça era muito usado.


Quando viu pela primeira vez a foto da Frida foi como se a conhecesse há muito tempo, conta. E, quando
assistiu ao filme e conheceu sua história passou a admira-la e a pesquisar mais sobre ela. A força da mulher
Frida diante de tantas dores e doenças físicas chamaram sua atenção, já que teve alguns desconfortos na
vida, como a perda de um bebê 24 horas após o parto; uma pancreatite severa, que a fez receber
transfusão de sangue durante 30 dias ininterruptos; uma cirurgia que a fez perder os órgãos reprodutivos;
a perda da mãe com aneurisma; e uma irmã com câncer de mama, que devido a uma medicação teve
trombose e perdeu os pés. Dores pavorosas e que, graças a determinação da Frida, serviu de inspiração
para pinta-la e admira-la. “Ela pode ser, para muitas mulheres, o símbolo do feminismo e do comunismo,
mas a vejo como força determinante enquanto mulher e artista, que chegou na sua exposição em cima
de uma cama, sorrindo e distribuindo força e esperança aos convidados. Frida é como se fosse alguém
que já tivesse convivido comigo, uma parte do meu passado. A Casa Azul, a pintura, o amor por seu
marido, tem muito do que vivi, por isso “EU FRIDA, TODAS FRIDA”. Todas as telas que pintei são as minhas
imagens como Frida. Essa exposição traz a Frida que carrego comigo e todas as possíveis versões que a vejo. Frida Khalo para mim é um exemplo de força e determinação", diz Meg.


Além das obras produzidas pela artista, a exposição possui fotos e uma instalação. E nos dias 17 e 18
de julho, às 19h, serão realizadas sessões de cinema ao livre com o filme biográfico da Frida.

Artista